regina@cryptoid.com.br

Estamos em novo endereço. Encontre-nos lá!

Faça parte desse projeto você também!

Conteúdo

O objetivo desse Blog é apresentar essa fantástica e importante tecnologia, de forma simples, para que pessoas que não dominam aspectos técnicos também possam acompanhar a evolução da adoção da Certificação Digital e o universo que gira ao seu redor:

Certificado Digital para Assinatura e Sigilo, Certificado de Atributo, Carimbo do Tempo, Documentos Eletrônicos, Processos Eletrônicos, Nota Fical Eletrônica, TV Digital, Smart Card, Token, Assinador de Documento, Gerenciador de Identidades etc..

Este Blog publica matérias e artigos extraídos da mídia que expressam a opinião dos respectivos autores e artigos escritos por mim que expressam, exclusivamente, minha opinião pessoal sem vínculo a nenhuma organização.

Matérias organizadas por data de publicação

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Sigilo e Conhecimento: Uma Introdução ao Problema | RenatoMartini.Net



Abstract. Este ensaio deseja lançar alguma luz sobre as relações, ainda pouco exploradas, entre sigilo e conhecimento. Mas não o faz de forma meramente instrumental, mas sim tenta fazê-lo de maneira ontológica. Há uma quase omissão para a questão do sigilo no pensamento humano, diferentemente do conhecimento, por isso as muitas referências à literatura. São anotações iniciais e preliminares desenvolvidas de forma ensaística e que demandam inobstante estudos mais detalhados.Keywords. sigilo, conhecimento, redesContents


3. Sigilo
“Ciencia y máquina fueron alejándose hacia un olimpo matemático, dejando solo y desamparado al hombre que les había dado existencia.” (Ernesto Sabato)

1. Sigilo e compartilhamento

Gostaria de afirmar inicialmente uma tese1: discriminar ou evitar o compartilhamento de informações tem um caráter anti-intuitivo. De forma mais direta quero dizer tão-somente que nosso modo de ser se dispõe antes peladifusão e compartilhamento da informação e do conhecimento, que pelo sigilo das mesmas. É, por conseguinte, natural nas organizações humanas que desejemos a difusão do conhecimento e não a sua retenção ou compartimentalização. Tanto mais dinâmica ela é, tanto mais o conhecimento se difunde. Sem dúvida podemos considerar de certa forma tal assertiva como bastante consensual. Ou seja, queremos vivamente que nossas organizações possuam mecanismos claros e bem definidos de difusão e compartilhamento da informação, – que chamarei de “existência informacional”. Em nossa própria existência somos de tal forma, então nada mais evidente que o mesmo se passe com o mundo da trabalho, com nossas organizações.

Não insistirei nesse ponto, até por seu aspecto consensualíssimo. Assim sendo, seria inconcebível que numa dada organização que o setor X estivesse trabalhando no tema “A” e o setor Y trabalhando no mesmo tema “A” e tais segmentos da organização não compartilhassem nenhuma informação vital sobre o referido tema. Se os setores “X” e “Y” somente compartilhassem informações periféricas já seria um desconforto na visão da avassaladora maioria de gestores e administradores. É consenso creio que uma organização hodierna faça o conhecimento fluir entre seus segmentos e setores, que ela não produza freios a nossa existência informacional. E cada vez mais usamos as ferramentas da Infraestrutura da informação, tais como as redes computacionais, para este desiderato, e toda uma gama de sistemas e softwares para realizar tal objetivo. Poder-se-ia concluir, primeiramente, que uma organização que não compartilha conhecimento talvez sofra sua maior patologia. E concluir, por outro lado, que ela também possui uma existência informacional.


 Fonte: Sigilo e Conhecimento: Uma Introdução ao Problema | RenatoMartini.Net