regina@cryptoid.com.br

Estamos em novo endereço. Encontre-nos lá!

Faça parte desse projeto você também!

Conteúdo

O objetivo desse Blog é apresentar essa fantástica e importante tecnologia, de forma simples, para que pessoas que não dominam aspectos técnicos também possam acompanhar a evolução da adoção da Certificação Digital e o universo que gira ao seu redor:

Certificado Digital para Assinatura e Sigilo, Certificado de Atributo, Carimbo do Tempo, Documentos Eletrônicos, Processos Eletrônicos, Nota Fical Eletrônica, TV Digital, Smart Card, Token, Assinador de Documento, Gerenciador de Identidades etc..

Este Blog publica matérias e artigos extraídos da mídia que expressam a opinião dos respectivos autores e artigos escritos por mim que expressam, exclusivamente, minha opinião pessoal sem vínculo a nenhuma organização.

Matérias organizadas por data de publicação

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Brasil exporta módulos de criptografia para Arábia Saudit



O Brasil continua exportando equipamentos de segurança da informação de altíssima tecnologia, enquanto especialistas de todos os níveis afirmam com certa frequência que o país não tem as soluções de ponta e por isso as importa.

Uma das exportações mais recentes é da Kryptus, de Campinas (SP): ela comercializou módulos de segurança criptográficos (hardware security modles ou HSMs) para a Arábia Saudita, depois de já ter ganho mercados na Finlândia e na Venezuela.


Roberto Gallo, o diretor-executivo e cientista chefe da Kryptus, disse ao Cibersecurity: “Isso é uma demonstração clara das capacidades tecnológicas que estão no Brasil — e mostra também um cenário inusitado: uma empresa nacional exportando equipamento de TI para mercados mais competitivos.

Do nosso ponto de vista, isso só é possível porque temos um mote interno que é o seguinte: tecnologia nacional com qualidade internacional”. Vários motivos, segundo Gallo, foram listados pelos clientes para a escolha da Kryptus como fornecedor da solução de segurança: “Esses motivos são desde o desempenho e funcionalidade até o fato de o Brasil não ser membro da OTAN, o que torna nossas soluções mais confiáveis ponto de vista de vários mercados”.

Como a OTAN é liderada pelos Estados Unidos, os equipamentos de segurança fabricados nos países-membros estão sujeitos a um certo grau de desconfiança, desde que Edward Snowden denunciou as operações internacionais de espionagem da NSA.
O HSM permite a criação e o armazenamento de chaves criptográficas em um ambiente seguro, protegendo-as contra ataques lógicos e físicos. A versão SE (Secure Execution) também permite o armazenamento e execução segura de aplicativos do usuário dentro do equipamento, segundo informações da Kryptus.

A empresa é uma das poucas brasileiras classificadas pelo governo como “Empresa Estratégica de Defesa” e eleita [nomeada] pelo Gartner como “Cool Vendor Brazil 2014″; já em 2007 foi a pioneira na área de semicondutores para aplicações criptográficas no país com o primeiro processador-acelerador AES (Advanced Encryption Standard) do mercado brasileiro.


Fonte: Paulo Brito em 23/08/2014 em Ciberdefesa